BLOG
FIQUE POR DENTRO!

NÃO TENHA MEDO DE COMEÇAR A ESTUDAR UM SEGUNDO IDIOMA.

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no email

Como tudo que se quer fazer bem na vida, quando aprendemos uma língua estrangeira, nós começamos errando, e errando muito! Isso é tão normal quanto engatinhar para aprender a andar, levar tombos até se equilibrar na bicicleta, testar a paciência e a coordenação motora para aprender um instrumento musical e qualquer outra coisa. É a prática transformada em hábito que nos faz chegar à excelência. 

Mas antes de entrarmos no tema principal – como fazer os seus erros levarem a um inglês muito melhor –, temos que conversar sobre uma questão importante…

 

Sem preconceito

Um erro, em qualquer língua, acontece de verdade quando não somos capazes de sermos compreendidos por outra pessoa. É por isso que os linguistas contemporâneos consideram que errado mesmo é chamar de erro uma frase em que a gramática não é executada exatamente como pedem os livros de gramática normativa. Essa prática de apontar os erros dos outros, em português mesmo, tem até sido chamada de preconceito linguístico. É uma maneira autoritária de criticar o dinamismo natural das língua, pois vem “de cima para baixo” e nega aos falantes de variedades populares do idioma até o acesso a bons empregos, entre outras graves consequências. 

Tomemos a seguinte frase:

– Os meninos vão à praia. 

Nenhum problema com essa frase, certo? E a próxima:

– Os menino vai pra praia. 

E agora? Tem erro? 

Segundo a gramática normativa, tem sim: o verbo e o substantivo não estão em concordância de número (sem plural). 

Mas você consegue imaginar a frase abaixo sendo dita? 

– O meninos vão pra praia.

Ninguém diria isso! Sabe por quê? Porque na variedade popular do português, também há regras. Ninguém usa o artigo (“O”) no singular quando quer se referir ao plural. Mas usar somente o artigo no plural (“Os”) e deixar o substantivo e o verbo no singular continua comunicando o plural do mesmo jeito da frase que segue a gramática normativa. 

Ou seja, a regra popular, por vir de baixo para cima, é considerada inferior e rechaçada.

É claro que o ideal é todo mundo ser fluente no seu próprio idioma – saber falar do jeito popular aqui e do jeito normativo acolá. Mas a capacidade e o talento de um indivíduo serem medidos por seu costume de pluralizar ou não os substantivos e verbos é um negócio um tanto absurdo, não acha?

 

Agora sim, o inglês

Não tenha preconceito linguístico contra você mesmo! Vai aprender inglês, então vai errar muito. E mesmo quando for fluente, vai continuar errando, só que será capaz de comunicar toda a complexidade de seu mundo para alguém que nem conhece a sua língua materna. 

E agora um segredinho bacana: todo mundo vai errar igualmente numa sala de aula, independentemente de suas origens. Menos razão para ter medo de errar. 

 

Os benefícios do erro 

Se você está errando muito, é porque está praticando muito. É só ter paciência que uma hora a coisa melhora. Entre os muitos benefícios de errar estão:

– Você se dá conta de que pontos precisa estudar mais; 

– Consegue pedir ajuda com mais precisão, com as perguntas certas; 

– Força a busca por exemplos de falantes e textos da língua nativa para ver como eles fazem;

– Indiretamente leva a um aumento do vocabulário e a uma melhor compreensão do idioma; pois força a comunicação e a pesquisa; 

– Entende que você não deve se julgar pelo que sabe agora, mas entender que está numa curva de crescimento e vislumbrar as próximas paradas no caminho da descoberta.

 

Exemplos de erros que fazem bem 

Vamos dar dois exemplos de erros de inglês comuns entre brasileiros, um de nível mais básico e outro mais avançado, e mostrar de que forma podemos saná-los e aprender mais do que saberíamos se não cometêssemos esses erros:

  1. The childs is playing in the park.


Há dois erros nessa frase: o plural de child é children e o verbo to be deveria ser are, e não is.

Aprendendo mais – Children é plural irregular. Se você escrever irregular plural nouns no Google, vai acabar aprendendo outros plurais irregulares, como:

Foot – Feet (Pé – pés)

Tooth – Teeth (Dente – dentes)

Goose – Geese (Ganso – gansos)

Mouse – Mice (Camundongo – camundongos)

Person – People (Pessoa – pessoas)

Woman – Women (Mulher – mulheres)

Man – Men (Homem – homens)

E assim, praticando os plurais e os singulares, vai tirar aquele verbo errado do caminho também:

My foot is big. 

My feet are big. 

Ou seja, mais vocabulário e gramática melhor. Tudo por causa de uma frase errada. 

 

2. I have been watching TV shows and movies without legends

Se o erro não estivesse destacado, você seria capaz de identificá-lo? Pois é, os false friendssão fogo! A palavra certa seria subtitle.

 

Aprendendo mais – Aí você se dá conta, ou alguém te conta, desse erro e você vai à caça, na internet. Resultados possíveis: encontrar um vídeo de uma professora de inglês dos Estados Unidos falando especificamente sobre como os brasileiros cometem esse erro muito frequentemente e listando outros erros comuns que estudantes do nível avançado cometem. 

O vídeo, neste caso, está aqui. E o erro em questão é abordado a partir do minuto 3:25 . Você inclusive pode ligar os subtitles para assistir. 

E, claro, ainda pode encontrar um monte de sites com muitos exemplos de falsos cognatos entre inglês e português para diminuir esse tipo de erro. 

 

Então faz o seguinte: respira fundo, agarra essa coragem e vem empoderar o seu inglês com a gente, na Beils! Você vai encontrar um modelo de ensino muito mais antenado com as novas tendências da educação e que vai te fazer adorar estar dentro da sala de aula ou em casa, com o nosso material digital de ponta, errando bastante e aprendendo para valer com os seus erros – até não errar mais! A Beils pode ser a aposta certa para você! Aproveite e veja mais dicas no nosso Instagram

Você sabe qual o seu nível de inglês?

Venha testar o seu nível

de inglês

Nas habilidades seguintes:

Gramática e vocabulário

Compreensão de textos

Compreensão auditiva