BLOG
FIQUE POR DENTRO!

INGLÊS BRITÂNICO X AMERICANO: O QUE MUDA?

INGLÊS BRITÂNICO X AMERICANO: O QUE MUDA?
Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on email

Inglês britânico x americano: o que muda?

Você saberia dizer se uma pessoa que está falando inglês tem um sotaque norte-americano ou inglês? Ou, melhor ainda, poderia diferenciar se um jornal é inglês ou estadunidense lendo apenas um artigo e sem ver a capa? E caso consiga fazer isso com facilidade, você saberia indicar exatamente o que te levou a tal conclusão? Pois é sobre as diferenças entre as duas variantes da língua inglesa que vamos tratar aqui.

  • Qual estudar?

É fácil afirmar que há uma penetração maior da cultura norte-americana no Brasil. Vemos isso pela música, televisão e, principalmente, pelo cinema. Mas há quem prefira o Reino Unido ou, mais especificamente, a Inglaterra como origem da língua que quer dominar. É por isso que gostaríamos de começar te tranquilizando: qualquer variante que você aprender será o suficiente para se comunicar com falantes do mundo todo! Cidadãos dos dois países não encontram problemas para se entender, sendo toda essa diferenciação um esforço menos do que vital na maioria dos casos. Ainda assim, pode ser muito útil saber o que vamos dizer abaixo.

  • Grafias diferentes para as mesmas palavras

Entre as principais diferenças de grafia, que vamos mostrar sempre da ordem do americano para o inglês, podemos citar que:

  • ense é americano, enquanto ence é britânico:

Defense – Defence (defesa)

Offense – Offence (ofensa / ataque)

  • um ‘l’ é mais comum nos EUA; ‘ll’, no Reino Unido:

Canceled – Cancelled (cancelado)

Traveling – travelling (viajando)

  • em alguns casos, é o oposto: ‘ll’ no final é americano; um ‘l’, inglês:

Fulfill – Fulfil (cumprir / preencher)

Enroll – Enrol (matricular)

  • onde é -re no Reino Unido é -er nos Estados Unidos:

Theater – Theatre (teatro)

Center – Centre (centro)

  • onde é our no Reino Unido é or nos EUA:

Color – Colour (cor)

Behavior – Behaviour (comportamento)

  • os britânicos usam –se; os americanos, -ze:

Organize – Organise (organizar)

Familiarize – Familiarise (familiarizar)

  • Palavras diferentes para as mesmas coisas

Há uma vasta coleção de palavras diferentes entre as duas línguas que, dada a proximidade entre os dois países, não chegam a atrapalhar tanto. Continuando da ordem do americano para o britânico, vamos mostrar algumas das mais comuns:

Soccer – Football (futebol)

Football – American Football (futebol americano)

Soccer Player – Footballer (jogador de futebol)

Pants – Trousers (calças)

Sneakers – Trainers (tênis de corrida)

Apartment – Flat (apartamento)

Sailboat – Sailing Boat (barco à vela)

Barber Shop – Barber’s Shop (barbearia)

Drugstore – Chemist (farmácia)

Store – Shop (loja)

Truck – Lorry (caminhão)

Chips – French Fries (batatas fritas)

Crisps – Chips (chips)

Bucks – Quid (gíria para ‘dólares’ / ‘libras’)

  • Palavras com usos diferentes

Algumas palavras que são usadas em ambas as regiões não têm exatamente o mesmo sentido em cada lugar. Alguns exemplos são:

  • Quite

É mais comum o uso de quite em inglês britânico do que no americano, onde ele também é usado, só que não da mesma forma. Nos EUA, essa palavra quer dizer very (muito, bastante); no Reino Unido, quer dizer somewhat (um pouco, perceptivelmente).

– I’m quite tired today – bastante cansado, nos EUA; um pouco cansado no Reino Unido.

  • Shall

É simplesmente mais comum no Reino Unido; nos EUA, é considerado bastante formal. Lá, usa-se o will no lugar de shall.

I will finish in time! (Terminarei em tempo!)

I shall finish in time!

  • Needn’t e Shan’t

Needn’t e shan’t praticamente inexistem nos Estados Unidos, onde se usa mais don’t need e won’t.

You don’t need to worry – ­americano (Não precisa se preocupar)

You needn’t worry ­– britânico

We won’t be long – americano (Não demoraremos)

We shan’t be long – britânico

  • Preposições – on / at

On weekend – Ame

At the weekend – Brit

She majored in Physics in college – Ame* (Ela se formou em Física na faculdade)

She studied Physics at university Brit*

*neste caso, também há variações de vocabulário.

This is different than/from what I expected – Ame (É diferente do que eu esperava)

This is different from what I expected – Brit

  • Pronúncia

Por fim, a principal razão por que alguns alunos preferem uma ou outra versão da língua – o sotaque. Cada sotaque é formado por pequenas variações na pronúncia de certos sons, que, colocados todos juntos, produzem falas claramente diferentes uma da outra.

Neste vídeo, o apresentado inglês Simon Whistler, em seu canal sobre a vida e as ações de pessoas famosas da história, você pode prestar atenção em muitos detalhes, como: os sons para as letras o, a, r.

Compare com os sons dessas letras nas palavras pronunciadas por Chris Hayes, um jornalista norte-americano.

Bem diferente, não?

Ou você não pegou as diferenças tão bem quanto gostaria? 

Isso sem falar nas várias outras variações entre ambos os sotaques que tornariam uma explicação por texto uma tarefa um tanto desafiadora para um blog…

Então como melhorar no inglês a ponto de saber diferenciar a região de onde um falante de inglês vem ou adaptar o seu sotaque a uma dessas regiões?

 

  • Você não precisa ir por esse caminho, mas…

Quando você começar a melhorar no inglês, e caso decida aprender uma variação e não outra, você precisará se cercar de elementos da cultura local.

O jornalismo, o entretenimento, os livros de estudo e demais materiais deverão estar editados ou ter sido produzidos no país em questão. Com o tempo e a exposição, você vai pelo menos incorporar os elementos de ortografia e gramática ao inglês que está desenvolvendo. Mas o sotaque é outra história.

Você não precisa ter uma pronúncia específica de uma região. O que você precisa é entender que há maneiras certas e erradas de pronunciar as coisas, mas o seu sotaque é uma marca da sua origem e ser fluente em inglês não significa eliminá-lo.

Tanto é verdade que os principais exames de proficiência em língua inglesa não levam o sotaque em consideração quando avaliam os alunos. Em vez disso, eles analisam clareza, organização textual, coerência, variação de vocabulário e gramática.

Pode respirar, buddy (Ame) ou mate (Brit) – amigo.

E fique ligado no blog da Beils para mais dicas como essa! 

Conecte-se com a gente.

Você sabe qual o seu nível de inglês?

Venha testar o seu nível

de inglês

Nas habilidades seguintes:

Gramática e vocabulário

Compreensão de textos

Compreensão auditiva